09/07/2019

OS ROBINSON


Um bairro de classe média-alta. Mais para alta, na verdade. Desses lugares em que as casas não têm muros, onde vivem advogados e gerentes de banco, com suas esposas pedagogas ou psicólogas, suas filhas chamadas Harriet, cachorros de língua cinza e carros suecos. O senhor Robinson lavava a calçada em frente à garagem quando, entre um e outro intervalo do aparelho vaporizador, ouviu um miado muito fraco, que lhe pareceu ser de um filhote de gato debilitado.

Precisou dar poucos passos em direção ao fundo do quintal para avistar a caixa de papelão com o animal dentro. Ao mesmo tempo, a senhora Robinson, que também ouvira sons estranhos, aproximava-se do local.

– É mesmo um gatinho! As crianças vão adorar, não? – disse ele.
– O bicho é cego, meu bem... arrancaram-lhe os olhos  observou ela.

No lugar dos globos oculares, apenas dois vazios, tomados por secreções. O minúsculo felino, de pelagem parda, já miava sem forças, mexendo a cabeça feito um periscópio, como quem procura as chaves do Volvo ao se atrasar para um compromisso importante.

O casal providenciou um pires com leite. E enquanto o homem guiava a cabeça do filhote até o alimento, a senhora Robinson retomou o diálogo:

 Você precisa sacrificá-lo antes que as crianças cheguem.

Ele sabia que a esposa estava certa. Não podia condenar aquela criatura a viver sem visão, a ser mais um estorvo no mundo, como tantos, incluindo os que enxergam perfeitamente. Levantou-se e buscou uma sacola retornável, de supermercado, na qual enfiou o bichano. Saiu a pé pela rua principal. Depois dobrou a esquina, numa travessa estreita, e seguiu ainda um quilômetro. Parou diante de uma construção abandonada.

Começava a escurecer. No interior ermo da obra, separou dois blocos de concreto. Ajeitou o primeiro no chão de areia e depositou sobre ele a sacola com o gato cego, que mal se debatia. Levantou a segunda peça acima da cabeça e, num único movimento, desferiu o golpe definitivo. Alguma coisa se quebrara em pedaços, mas era impossível reconhecer a diferença entre ossos ou tijolos.

No caminho de volta, nenhum novo miado, somente o silêncio ensurdecedor do bairro. Entrou pela casa de dois andares, com floreiras nas janelas. Subiu as escadas e foi direto para a suíte, onde se deixou cair sobre a cama king, com o rosto mergulhado nos travesseiros de plumas de ganso e fronhas de algodão egípcio.

Na calçada, o ônibus escolar largava o casal de filhos. Ao descer para receber as crianças, a senhora Robinson fechou a porta do quarto, para que o marido pudesse chorar mais um pouco antes do jantar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário